10 Tendências de TI 2019: O que esperar do setor de tecnologia?

10 Tendências de TI 2019: O que esperar do setor de tecnologia?

Blog NetSupport 28-12-2019 tendências de TI 2019

Chegamos aos 45 do segundo tempo de 2018. É hora de fazer listas de resoluções, faxinas especiais e pular sete onda… Mas também de conhecer as tendências de TI 2019.

Ainda mais se você está aproveitando para fazer uma pausa neste período de festas. Essa leitura é boa ideia para relaxar e saber o que vem por aí.

Se você está curioso para saber como as tendências de TI 2019 se conectam, leia o artigo até o final. Com certeza você encontrará algo útil para o seu negócio. Vamos lá!

As tendências de TI 2019 de acordo com o Gartner

Anualmente, o Gartner, uma das mais respeitadas consultorias de TI do mundo (se não a mais) divulga sua lista de tendências de TI.

E é com base nesse conteúdo que escrevemos esse artigo para você. Afinal, não há fonte mais confiável do que essa.

Pos bem, de acordo com o Gartner, as tendências de TI 2019 estão divididas no que foi chamado de Intelligent Digital Mesh, em português, Malha Digital Inteligente.

Intelligent (Inteligente): Representa a presença da inteligência artificial em quase todas as tecnologias e também como ela está criando novas tecnologias.

Digital (Digital): Aqui é tratado sobre a conversão entre o mundo virtual e o físico, que criará uma experiência imersiva.

Mesh (Malha): Explora as conexões entre pessoas, empresas, dispositivos, conteúdo e serviços em expansão.

Levando em consideração a Malha Digital Inteligente, as tendências de TI 2019 são:

  1. Coisas autônomas;
  2. Analítica aumentada;
  3. Desenvolvimento orientado por inteligência artificial;
  4. Gemêos digitais;
  5. Computação de borda;
  6. Experiências imersivas;
  7. Blockchain;
  8. Espaços inteligentes;
  9. Privacidade e ética digital;
  10. Computação quântica.

Nas palavras de David Cearley, Vice-Presidente do Gartner “O futuro será caracterizado por dispositivos inteligentes entregando serviços digitais cada vez mais perspicazes”.

Em adição a essa fala, a lista destaca tendência com alto impacto de mudança, que transformarão as indústrias até 2023.

Portanto, agora vamos conhecer melhor cada uma delas.

1. Coisas autônomas

Carros, robôs e, até mesmo, veículos agrícolas autônomos estão exercendo funções que antes eram desenvolvidas por humanos.

Nesse cenário, todas as coisas autônomas estão utilizando inteligência artificial, para interagir de maneira mais natural possível com o ambiente em que estão inseridas.

Atualmente, podemos dizer que as coisas autônomas atuam através de cinco tipos de recursos:

  • Robótica;
  • Veículos;
  • Drones;
  • Eletrodomésticos;
  • Agentes.

Esses recursos estão presentes em quatro ambientes principais, que são: mar, terra, ar e digital.

Cada um deles opera com variações de capacidade, coordenação e inteligência, envolvendo ou não alguma interação humana.

A Amazon é um exemplo real de empresa que já utiliza coisas autônomas há certo tempo. Eles viraram notícia com seu serviço de entregas através de drones.

Fonte da Imagem: Amazon

Explorar o potencial de coisas autônomas guiadas por IA, dentro da sua empresa, será importante daqui para frente.

Contudo, lembre-se que para ter sucesso, antes é preciso definir qual será a finalidade de se utilizar esse recurso. Portanto, esteja atento e trace objetivos.

2. Análise aumentada

É cada vez maior o número de dados aos quais temos acesso, para analisar e agrupar e que nos ajudam na tomada de decisões.

Entretanto, você já parou para pensar na quantidade de informações que podemos deixar passar sem dar a devida atenção?

Aliás, informações essas que podem esconder hipóteses valiosas sobre o negócio e que poderiam render melhorias nos produtos e/ou serviços oferecidos.

É por isso que a análise aumentada está transformando o trabalho dos cientistas de dados e dos seus algoritmos automatizados.

Em breve, ela modificará a forma definitiva a maneira como as empresas geram insights para o negócio.

O grande diferencial desse recurso é que ele identifica padrões ocultos, removendo o viés pessoal das análises.

Ou seja, isso minimiza as chances das empresas trabalharem seus dados de forma tendenciosa. O que costuma ocorrer involuntariamente.

Sendo assim, utilizando ferramentas de análise aumentada, com inteligência artificial, será possível automatizar os processos de ciência de dados.

Desta maneira, poderemos avaliar conjuntos de dados, desenvolver hipóteses e identificar padrões nas análises, automaticamente.

A projeção é que até 2020 mais de 40% das tarefas relacionadas à ciência de dados sejam automatizadas.

3. Desenvolvimento orientado por inteligência artificial

A inteligência artificial já deixou de ser uma tendência e se consolidou como uma ferramenta útil para a rotina das empresas.

Vide o crescente uso de chatbots de atendimento por negócios dos mais diversos segmentos.

De certo, veremos novidades relacionadas a inteligência artificial nas listas de tendências de TI 2019, 2020, 2021 e por aí vai.

Por exemplo, no próximo ano vamos observar o crescimento de ferramentas, tecnologias e melhores práticas para incorporar a IA em aplicativos e programas.

O objetivo é fornecer recursos adequados para a área de desenvolvimento – como algoritmos e modelos de IA –  para que ela passe a utilizar a inteligência artificial em seus projetos de forma independente.

Enfim, o que podemos esperar disso? Possivelmente a ampliação do uso e maior acessibilidade à soluções de inteligência artificial.  

4. Gêmeos digitais

A lista de tendências de TI 2019 não é a primeira a falar sobre gêmeos digitais. Eles já apareceram por aqui no ranking de 2018 também.

Podemos definir esse recurso como uma representação digital capaz de projetar o comportamento de um objeto, processo ou sistema na vida real.

Sim, essa não é uma ideia nova. Porém hoje os gêmeos digitais são diferentes por conta de quatro características:

  • Alta capacidade dos modelos, focados em como eles podem contribuir com os resultados de negócios específicos;  
  • Ligação com a realidade, já que o controle e avaliação dos dados pode acontecer em tempo real;
  • Aplicação de análises de dados e inteligência artificial que podem resultar em novas oportunidades de negócio;
  • Capacidade de interação entre cenário digital e real para avaliar cenários “E se…”.

Atualmente, o objetivo é conseguir combinar os gêmeos digitais com a inteligência artificial, para aprimorar a capacidade das empresas na tomada de decisões.

Unindo esses dois fatores será possível obter informações mais precisas sobre manutenção e confiabilidade.

Além disso, esse processo também resultará em insights interessantes o sobre desempenho e eficiência de produtos, bem como em sugestões de novos produtos.

5. Computação de borda

A computação de borda – em inglês, empowered edge – é uma topologia de rede onde a coleta, processamento e entrega do conteúdo é feita próxima a fonte da informação. A ideia é que, ao manter o tráfego local, haverá uma redução na latência da transmissão de dados.

A utilização da computação de borda está associada ao crescimento da Internet das Coisas (IoT).

Isso porque, esses equipamentos inteligentes costumam possuir raízes de geração de dados em dispositivos ou sensores embutidos.

Desta maneira, eles podem ter o seu desempenho afetado, por conta de conexões de longa distância, como nuvem ou centrais de dados.

Esse empecilho trouxe a necessidade de utilizar conexões descentralizadas, para que os equipamentos de IoT pudessem funcionar de forma local e mais ágil.

Até 2028 é esperado um aumento considerável na implantação de recursos em dispositivos de borda, para atender as necessidades de IoT.

6. Experiências imersivas

As plataformas de conversação são uma das fortes tendências de TI 2019. Esse deve ser o ano em que elas ganharão ainda mais destaque.

Tecnologias como realidade aumentada, realidade mista e realidade virtual mudarão, definitivamente, a forma como os usuários interagem com o mundo.

Essa mudança de perspectiva nos levará a um novo tipo de experiência imersiva.

Realidade aumentada, mista e virtual mostram um grande potencial para aumentar a produtividade das pessoas.

A próxima geração de realidade virtual tornará a percepção de formas possíveis, além de conseguir rastrear a posição atual dos usuários.

Enquanto isso, a realidade mista permitirá que os indivíduos vejam e interajam com o “seu mundo”.

Em 2022, 70% das empresas estarão testando tecnologias imersivas voltadas para os consumidores e uso corporativo.

Além disso, também é esperado que 25% já estejam utilizando esses recursos em processos de produção.

Futuramente, essas tecnologias devem incorporar sensores capazes de detectar emoções, baseadas em expressões faciais. Assim, elas poderão se tornar ainda mais interativas.

7. Blockchain

O blockchain é a tecnologia que tornou a famosa moeda digital, Bitcoin, tão famosa.

Esse recurso funciona como o biblioteca pública digital, que reúne de forma ordenada os registros de transações criptograficamente assinados e compartilhados por todos os participantes de uma rede.

Rastreando essas transações, o blockchain reduz a possibilidade de problemas comerciais, quando se trabalha com partes não confiáveis, eliminando, assim, a necessidade de um intermediário (como um banco, por exemplo).

Ao realizar as transações diretas, através do blockchain, é possível reduzir custos, tempo de transações e melhorar o fluxo de caixa.

Contudo, os modelos puros de blockchain ainda são imaturos e podem ser difíceis de escalar. Porém, mesmo assim, esse é o momento de avaliar a utilização dessa tecnologia.

8. Espaços inteligentes

Essa é uma das tendências de TI 2019 que mais nos chamou atenção.

Os espaços inteligentes são ambientes físicos ou digitais em que humanos e sistemas de tecnologia podem interagir.

Tais espaços estão criando ecossistemas cada vez mais abertos, conectados, coordenados e inteligentes.

Em suma, eles possibilitam a conexão entre pessoas para desenvolver ambientes colaborativos, através da tecnologia.

Os espaços inteligentes desenvolvem, por conta própria, cinco pilares principais: abertura, conectividade, coordenação, inteligência e escopo.

Os coworkings, que são locais de trabalho compartilhado, estão em plena ascensão no Brasil e são um bom exemplo desse tipo de espaço.

Existem também as cidades inteligentes. Ambientes totalmente planejados que combinam negócios, residências e indústria visando a colaboração da comunidade.

A previsão do Gartner é que cada vez mais espaços, nesse modelo, sejam criados.

9. Privacidade e ética digital

Hoje os consumidores possuem um conhecimento muito maior sobre o valor de suas informações pessoais.

Justamente por esse motivo, eles estão cada vez mais preocupados sobre como esses dados estão sendo utilizados. Seja por entidades públicas e privadas.

Nesse cenário, as empresas que não se atentarem a essas questões, podem ter sérios problemas comerciais e jurídicos.

Daqui para frente, precisaremos fundamentar a privacidade de dados com base em conceitos éticos e de confiança.

Ou seja, a questão não será mais “Estamos sendo condescendentes?” mas sim “Estamos fazendo a coisa certa?”.

Os governos de todo mundo já estão trabalhando em leis de regulamentação, para proteger os indivíduos.

Por outro lado, os consumidores estão cedendo cada vez menos dados ou até mesmo removendo suas informações.

De modo resumido, as empresas precisarão estabelecer um relacionamento de confiança, nesse campo, com seus clientes. Somente dessa maneira elas terão sucesso em suas ações.   

10. Computação quântica

Por fim, chegamos a computação quântica, o último item da nossa lista de tendência de TI 2019.

Esse tipo não-clássico de computação se baseia no estado quântico de partículas subatômicas, em que as informações são denotadas como Qubits, ou seja, bits quânticos.

Explicando assim parece algo que somente Einstein entenderia, não é mesmo? Então, vamos focar no seu grande diferencial em comparação aos computadores convencionais.

De forma simples, em um computador clássico o processamento e o armazenamento de dados são realizados de formas distintas. É por isso que processador e memórias são separados.

Por outro lado, em um computador quântico, essas funções acontecem simultaneamente. O que torna o desempenho dessas máquinas muito mais elevado.

Essas máquinas surgiram da necessidade de encontrar alternativas mais eficientes, para as limitações dos computadores clássicos.

Afinal, os computadores clássicos, que conhecemos hoje, não teriam capacidade suficiente para processar uma inteligência artificial mais complexa, por exemplo.

Por essa razão, é que a computação quântica está ganhando espaço e deve se consolidar nos próximos anos.

Compartilhe no:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *