Computação e armazenamento em nuvem é garantia de menos preocupação

Computação e armazenamento em nuvem é garantia de menos preocupação

Computação e armazenamento em nuvem podem parecer termos recentes, mas saiba que eles não são tão novos assim.

Na verdade, esse termo foi citado pela primeira vez em 1997, pelo professor de Sistemas da informação, Ramnath Chellappa. No ano de 2006, o primeiro serviço do segmento a ser amplamente divulgado foi lançado pela Amazon, que ainda continua sendo uma das principais empresas a distribuir esse tipo de funcionalidade.

Uma das coisas que mais assusta aos usuários, em qualquer que seja o tipo de dispositivos, é a perda de documentos importantes.

Isso porque a grande maioria ainda depende do armazenamento físico no famoso HD (Hard Disk ou Disco Rígido, em tradução livre) – que tanto em sua versão interna quanto externa não oferece 100% de segurança, já que esse é um tipo de Hardware muito sensível as mais diversas variáveis, principalmente a impactos.

Já com o armazenamento em nuvem – no inglês, Cloud, que é outra denominação bastante empregada para esse tipo de serviço – em que você utiliza o servidor de uma empresa especializada para guardar os seus arquivos comerciais ou pessoas (documentos, fotos, vídeos, músicas, entre outros.), este risco é quase zero.

Esses servidores compartilhados armazenam dados de milhares pessoas, para que elas os acessem onde quer que estejam e através de qualquer dispositivo – Seja um notebook, tablet ou celular – desta maneira, o usuário não dependerá apenas do seu computador, HD externo ou pendrive.

O local onde esses servidores ficam alocados são chamados de Data Centers, que em uma única localidade podem armazenar arquivos do mundo inteiro.

Para elucidar esse conceito, imagine um prédio de apartamentos de aluguel. Os serviços de nuvem funcionam como esse prédio, onde cada inquilino aluga o seu próprio espaço, com uma infraestrutura de água, luz, telefone e gás que na verdade pertence ao proprietário do prédio.

Nessa analogia, o prédio é como a nuvem – ou Data Center – e cada cômodo uma empresa diferente. É possível conhecer um dos Data Centers do Google, que possui um dos serviços de nuvem mais populares, por sua ferramenta Google Street View.

Quais são os melhores serviços de nuvem?

Os principais fornecedores de computação na nuvem são empresas conhecidas mundialmente, com infraestruturas de Data Center gigantescas com servidores físicos espalhados por todo o globo.

Podemos classificar os fornecedores de serviços em nuvem em três segmentos distintos:

  • Empresas globais de computação na nuvem – Exemplos: Amazon, Microsoft e Google;
  • Empresas de telecomunicações – Exemplos: Telefônica, Oi e Embratel;
  • Empresas especialistas em Data Center – Exemplos: Equinix, UOL e Matrix.

Como não há limites de capacidade para uma aplicação na nuvem, isso vem despertando nas empresas, que originalmente nunca foram fabricantes de Hardware, a capacidade de disponibilizar ofertas de nuvem elástica, à medida da necessidade de cada cliente.

Abaixo está um resumo sobre os principais serviços de armazenamento em nuvem, de empresas globais especializadas nessa frente.

Amazon Web Services

A Amazon hoje é a líder absoluta em computação na nuvem, principalmente para empresas. Oferece diversos pacotes para as mais variadas necessidades de processamento do mercado: Bancos de dados, servidores de armazenamento de arquivos, processamento, conversão/codificação de vídeo, controle de acesso (Firewall), machine-learning, relatórios, processamento de fluxo de dados.

A lista não termina aqui, e atinge mais de 35 aplicações diferentes e ofertas, com soluções para pequenas, médias e grandes empresas. Há também um serviço para pessoas físicas, o Amazon Cloud, em que por US$ 59,99 anuais é possível ter espaço ilimitado para armazenar qualquer tipo de arquivo.

Google Drive

Há tempos que o Google vai muito além do buscador. A empresa que, entre muitas opções, já oferece contas de e-mail gratuitas, através do Gmail, também conta com o serviço em nuvem Google Drive, que garante uma conta com 15GB sem custo para usuários domésticos, que, caso queiram dispor de mais espaço, podem contratar planos a partir de US$ 1,99 por mês.

No caso de empresas, o Google oferece dois tipos de serviço diferentes: Um plano dedicado a profissionais e equipes que desejam ter acesso Google Drive, Documentos, Planilhas, Apresentações, Formulários e Hangouts, tudo on-line e outro que, além destes recursos, também oferece Grupos do Google, Agenda, Sites e até um Gmail personalizado para a empresa.

Em ambas as situações o valor por usuário é de US$ 10 mensais, incluindo uma avaliação gratuita por 30 dias. O armazenamento é ilimitado, exceto para equipes com até 5 pessoas, que recebem 1 TB de armazenamento por usuário.

One Drive

O serviço da Microsoft é outra opção bastante utilizada pelas organizações. Sua vantagem é que pode ser combinado também com a assinatura do pacote Office. Como no Google Drive, existem duas opções de planos, sendo o primeiro no valor R$ 21,90/mês dando direito a 1TB por usuário e o segundo que custa R$ 43,70/mês com uma capacidade de 5TB por usuário.

Nas duas alternativas é possível sincronizar os arquivos no PC, Mac, tablet e smartphone. Entretanto, o segundo plano, disponibiliza recursos de segurança extra, como criptografia avançada e prevenção contra perda de dados. Os usuários domésticos têm direito a 5GB gratuitos, com a opção de um upgrade para 50GB por apenas R$ 4,00.

Existem outros nomes famosos que também valem a pena ser considerados, como o Dropbox e o iCloud – que é exclusivo para usuários de dispositivos Apple.

O Sendspace é outra solução, indicada para ações rápidas, já que permite subir arquivos na nuvem, gerando um link, que pode ser enviado para download por terceiros e que expira após alguns dias.

Quando migrar para a nuvem?

Muitas empresas atualmente já nascem sem ter um único servidor físico próprio. Tudo já está armazenado na nuvem, em algum Data Center global, sendo replicado em outra localidade física.

A vantagem desse modelo é poder investir em uma expansão à medida que sua demanda também aumenta. Outras empresas têm decidido migrar algumas aplicações mais usuais para a nuvem, como por exemplo o servidor de e-mail ou de web, pois essas aplicações são as mais simples de migrar.

Muitos Data Centersoferecem planos completos para migrar os outros dados da empresa, permitindo que os usuários possam começar na segunda-feira seguinte em uma nova plataforma, com um mínimo de impacto na sua produtividade.

Aplicações como serviços de telefonia e call center, são mais complexas e demandam um processamento mais intenso e devem ser migradas de forma cautelosa e com acompanhamento nos primeiros das. Uma dica é conversar com o fabricante da aplicação utilizada e se o próprio não possui oferta em uma estrutura de nuvem.

Se a sua empresa está começando, as opções de armazenar e processar seus dados e a aplicações na nuvem são as mais sensatas.

Mas se a sua empresa já tem uma equipe de TI cuidando de vários servidores internamente, faça o seguinte questionamento: Quanto vou economizar com upgrades de hardware a cada dois anos? E com contrato de manutenção?

Tempo de parada ou até mesmo tempo para recuperação de um equipamento quebrado que teve que ser totalmente substituído? Na maioria dos casos, você ficará surpreso com o resultado favorável para migrar para a nuvem.

Não fique com receio por não ter o equipamento ao seu lado. Dados são dados, só precisam ser protegidos e copiados com segurança. Equipamentos virtuais são substituídos em questão de minutos, e não de dias, como os físicos. Vale a pena investir na nuvem!

Continue conectado em nosso blog, teremos conteúdos novos toda semana. Você também pode enviar suas dúvidas e sugestões de tema para o e-mail flavia@netsupport.com.br

ns_cta_ebooks_tiparaempresas

Compartilhe no: