O que é e-commerce e por que a TI é essencial para esse comércio?

O que é e-commerce e por que a TI é essencial para esse comércio?

E-commerce

Você sabe que é e-commerce? Ainda que o termo possa parecer desconhecido para você, com certeza a prática em si você conhece.

Isso porque estamos na era da Internet das coisas. Em tempos em que os aparelhos eletrônicos tendem a estar cada vez mais conectados entre si para facilitar a interação com o usuário, comprar o que quiser através de um clique pela web já não é algo mais tão surpreendente quanto era há alguns anos atrás.

Mas qual a importância de entender o que é e-commerce?

O perfil do mercado tem mudado muito. Não apenas os setores industriais, as empresas, mas também o varejo tem absorvido muitos dos impactos das evoluções tecnológicas nas suas formas de atuação.

Não é a toa que hoje em dia já se fala muito em varejo 4.0, a revolução do mercado em vista da mudança no perfil comportamental destes clientes, que compram com muita facilidade e também com muito mais critério.

Ao acompanhar esse texto, você vai entender melhor o que é e-commerce, quais os modelos existentes, o que esse tipo de negócio representa para o varejo e qual a importância da TI para que ele prospere.

Ficou interessado? Então continue lendo e entenda finalmente o que é e-commerce!

O que é e-commerce?

E-commerce é um termo que se refere a eletronic commerce, e em português significa comércio eletrônico, ou seja, o famoso comércio pela internet.

Não é preciso ser um grande fã de compras pela internet para concordar que esse modelo de varejo cresceu rapidamente e hoje é consolidado pelo público.

Inicialmente, bastaria exemplificar a situação de alguém que decide vender algum produto online, como roupas, e para isso, cria um site.

Entretanto, na última década, a relação do público e dos vendedores com a internet evoluiu muito, fazendo que essa definição generalizada já não satisfizesse tão bem a verdadeira essência do que vivemos atualmente.

Através disso, para entender o que é e-commerce é necessário saber que existem diferentes tipos de relações mercadológicas dentro da Internet e que cada uma delas representa nichos diversos na web.

Os modelos variam entre aqueles que partem das empresas e os que partem dos próprios consumidores. Vejamos com mais detalhes alguns dos principais tipos de e-commerce:

Modelo B2B – Business to Business

Quando buscamos entender o que é e-commerce, é importante falar de uma das formas de operação que tem grande importância no mercado, representada pelo modelo Business to Business, ou B2B como é muito conhecido.

Ele nada mais é do que um comércio baseado em transações entre empresas, através de redes partilhadas. O modelo de e-commerce está crescendo pois as empresas, assim como as pessoas, estão se digitalizando e buscando formas de otimizar a aquisição de produtos e serviços.

Se sua empresa vende algum produto ou serviço para empresas, ela pode ser considerada um empreendimento B2B. Por exemplo, uma empresa B2B pode ser uma indústria, um importador ou mesmo um distribuidor local. 

Desde que a venda ocorra de empresa para empresa e não o consumidor final, a transação é Business to Business.

Modelo B2C – Business to Consumer

O Business to Consumer ou B2C é nada mais, nada menos, do que o comércio eletrônico de empresa para consumidor, que cresce cada vez mais no Brasil em vista do surgimento recorrente de pequenos e médios empresários.

Esse, que é o modelo mais conhecido, trata das transações de fabricantes de distribuidores diretamente para os clientes, ou seja, os grandes sites de varejo representam o modelo B2C, como Casas Bahia, Magazine Luiza e outros grandes sites como o mundialmente famoso AliExpress.

Modelo B2E – Business to Employee

O modelo B2E é bem semelhante o B2C, a diferença é que diz respeito à relação da empresa e funcionários, onde o cliente final é o próprio colaborador da companhia.

Isso significa que quando uma pessoa faz parte do quadro de funcionários de determinada empresa e opta por adquirir produtos dela através de condições de desconto e prazos específicos, está se estabelecendo ali o modelo B2E.

Modelo C2B – Consumer to Business

Como o nome já sugere, o C2B é o contrário do B2C. Ou seja, são consumidores oferecendo produtos e serviços para as empresas.

Falando assim pode não parecer ter muito sentido, mas dá pra entender do que se trata se citarmos plataformas de freelancers que divulgam seu trabalho para que empresas possam contratá-los.

Modelo C2C – Consumer to Consumer

Esse também é outro modelo bastante comum no Brasil. 

O C2C se baseia na transação entre consumidores finais. Há, por exemplo, uma variedade de plataformas criadas especificamente para que usuários publiquem seus serviços ou produtos para outras pessoas que possam se interessar em adquiri-los. 

Alguns exemplos são as plataformas Mercado Livre, OLX e Enjoei.

A TI no e-commerce

Agora que você já sabe o que é e-commerce, precisamos falar sobre o papel da TI nesse mercado de vendas online.

A Tecnologia da Informação sem dúvidas está a favor do e-commerce

A atuação do setor de TI em uma categoria de destaque dentro das empresas não é nenhuma novidade. Já faz algum tempo desde que esse departamento deixou de ser considerado um mero suporte. 

Ele agora é essencial. Para o e-commerce, é um grande aliado para impulsionar vendas e conquistar mais clientes.

Isso porque, além de ser responsável por atribuições relacionadas com gestão de banco de dados, telecomunicações, hardware e software, a TI também se encarrega de garantir a segurança e estabilidade para as transações online.

Como o e-commerce também evoluiu em níveis de importância no mercado e as lojas online crescem cada vez mais, a necessidade de garantir que a experiência do cliente será a melhor possível fica ainda mais forte.

Veja alguns dos principais pontos em que a TI atua de forma positiva na performance do e-commerce:

Melhora a experiência do cliente

Os clientes querem cada vez mais se conectar com as lojas e encontrar o que procuram com mais facilidade.

É por esse motivo que as tecnologias se atualizam em busca de encontrar as melhores formas de conseguir isso

Nesse contexto, surgem ferramentas como o Big Data, que usa o grande número de dados que circulam nas empresas para descobrir informações concretas que possam revelar maneiras de se aproximar do consumidor.

Através de métodos como esse, é possível programar o site para fazer assimilações com o que o cliente está observando. 

Por exemplo, se ele pesquisa sobre um smartphone, a plataforma pode sugerir também um fone de ouvido, ou mesmo um aparelho de outra marca mas com as mesmas características, que possa interessar ao cliente.

Além disso, todas as ações feitas dentro da loja por um cliente geram dados que constroem um perfil que será muito útil para enviar ofertas personalizadas para aquela pessoa.

Evita a ocorrência de falhas

Nada pior do que um site de vendas instável no qual o cliente não consegue finalizar a compra, certo?

O departamento de TI atua no constante monitoramento e aprimoramento do sistema para que ele esteja sempre no ar e não sofra com instabilidades de rede ou erros de carregamento de página. 

Isso consequentemente otimiza o processo de vendas e garante que o cliente fique impressionado e satisfeito com o serviço.

Garante melhor atendimento

Os canais de atendimento no e-commerce precisam ser excelentes.

Com tantos sites no ar, tantas possibilidades de pesquisa, o varejista deve estar apto a atender a qualquer momento para não perder o cliente em potencial.

Uma forma de fazer isso é através dos chatbots

Essa é uma automação do atendimento através de aplicativos de mensagens dentro do site que atendem o cliente em um primeiro momento e conduzem aos atendentes específicos para cada tipo de demanda.

Isso evita que o cliente precise esperar muito para entrar em contato com a empresa ou que tenha que passar por diversos atendentes antes de conseguir sanar seu problema.

Garante a segurança das informações

Para quem busca entender mais sobre o que é e-commerce, um ponto importante de destacar é que vírus e hackers são algumas das ameaças mais recorrentes no ambiente virtual.

Os ataques cibernéticos evoluem e se tornam cada vez mais difíceis de evitar.

Para quem trabalha com varejo online, a situação é bem arriscada, pois os clientes que comprarem da sua loja estarão disponibilizando dados sigilosos, e proteger essas informações é uma tarefa crucial.

Para garantir que nenhum criminoso tenha acesso aos dados pessoais que seus clientes inserem no seu site, é importante investir em uma equipe de TI, que vai criar diversas camadas de proteção para todo esse material, garantindo a confiabilidade e segurança do site.

Agora você já sabe o que é e-commerce e pode começar sua loja online! Saiba mais sobre o que é Big Data e descubra em detalhes como usar os dados coletados no seu site para converter mais vendas.

Compartilhe no:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *