IPv6: o que é, como funciona e qual a sua importância

Você talvez ainda não tenha ouvido falar no IPv6, mas como o desenvolvimento e a evolução das tecnologias são constantes, com a internet não poderia ser diferente. Em pouco tempo de existência, ela já abriu espaço para coisas que antes eram inimagináveis, e não é à toa que se fala na necessidade de modernização.

Já parou para pensar no quão incrível é a capacidade da internet de conectar milhões de computadores, celulares e outros dispositivos no mundo todo? A cada dia surgem novos aparelhos que se juntam a essa rede, e devemos considerar a sobrecarga de tantas conexões.

Pensando nisso, é preciso investir em maneiras de aprimorar a internet para que ela possa continuar fazendo bem para a sociedade e permitindo que continuemos a estudar, trabalhar, nos divertir e manter contato com familiares e amigos.

No texto de hoje vamos explicar o que essa “manutenção da internet” tem de relação com o IPv6, simplificando esse conceito.

Além disso, vamos falar sobre como o IPv6 funciona e qual a importância do seu uso para o futuro da internet. Confira!

O que é o IPv6?

Antes de explicarmos o que é o IPv6 propriamente dito, devemos falar sobre seu antecessor, o IPv4, que é mais conhecido como IP (Internet Protocol ou protocolo de internet).

O endereço de IP nada mais é do que uma sequência numérica que identifica um dispositivo que está acessando a internet. É, literalmente, um endereço que permite identificar de onde a conexão está vindo.

Com o volume intenso de pessoas conectadas diariamente e cada vez mais dispositivos integrados por conta da Internet das Coisas, há uma tendência à sobrecarga desse sistema gigantesco que mantém pessoas do mundo inteiro acessíveis a um clique.

Pode parecer um tanto quanto exagerado, mas, assim como qualquer coisa que excede sua capacidade, a internet pode aos poucos parar de funcionar.

As sequências numéricas disponíveis para o IPv4 estão acabando e daí vem a necessidade de adaptação a um novo sistema que possa comportar esses novos dispositivos.

É por isso que o IPv6, um novo protocolo de comunicação, foi criado.

Como funciona o IPv6?

O IPv6 é uma evolução do IPv4, com uma capacidade muito maior. A constituição do IPv4 é de 32 bits e do IPv6, 128 bits.

O IPv6 foi lançado oficialmente em 2012, mas já estava sendo proposto lá em meados de 1998. Somente agora há realmente a necessidade de implementação do IPv6.

Isso acontece porque a internet, a princípio, não foi programada para atingir proporções tão grandes, e nos dias de hoje acaba sendo inevitável substituir o sistema para um novo protocolo.

O que os especialistas chamam de esgotamento do IPv4 é a prova da dimensão que a internet tomou em poucas décadas de existência. 4 bilhões de combinações disponíveis, que pareciam um número alto, já não são mais suficientes.

O processo de transição, é claro, não pode ocorrer da noite para o dia.

É preciso encontrar meios onde IPv4 e IPv6 possam coexistir, fazendo melhorias entre os dois e não alterando completamente a estrutura que conhecemos hoje.

Basicamente, a proposta do IPv6 é aumentar o número de combinações possíveis para os endereços de IP, proporcionando vantagens como:

  • roteamento de conexão ainda mais eficiente;
  • melhor processamento dos pacotes de internet;
  • fluxo de dados direto;
  • configuração de rede simplificada;
  • suporte preparado para novos serviços;
  • melhoria da segurança.

Qual a importância do uso do IPv6?

Mas o que acontece agora? Quem será impactado pela implementação do IPv6? O uso é opcional?

A não adequação ao protocolo IPv6 representa um enfraquecimento do sistema e consequentemente, a impossibilidade de utilizá-lo com máxima produtividade.

Páginas que não carregam, vídeos com reprodução mais lenta ou indisponível, impossibilidade de acessar jogos, entre outras, são algumas das dificuldades que o esgotamento do IPv4 representa.

Isso acontece porque haverá a necessidade do uso de uma técnica chamada Carrier Grade NAT.

Essa seria uma medida provisória para a sobrecarga de endereços de IP até a completa adesão ao IPv6, em que dezenas de pessoas teriam que compartilhar a mesma combinação numérica, não podendo usufruir de uma conexão de qualidade.

A longo prazo, essa estratégia não apresenta vantagens, visto que além de pagar cada vez mais caro por uma conexão cada vez mais limitada, a segurança sai prejudicada, pois será ainda mais difícil identificar fraudes e crimes cibernéticos.

O IPv6, por outro lado, apresenta uma inovação muito positiva nesse aspecto.

Esse novo protocolo dispõe de funcionalidades modernas de criptografia, que garantem a integridade, confidencialidade e autenticidade dos dados de usuários.

Vantagens e possibilidades do IPv6

A melhoria disponibilizada pelo IPv6 é mais do que bem recebida, pois estamos em uma época na qual a segurança da informação é prioridade. Além disso, com o aumento das possibilidades de combinação de endereço de IP, as técnicas de varredura anteriores já não seriam eficazes.

Mais do que isso, o IPv6 abre as portas para um mundo de possibilidades e perspectivas que o futuro da internet e da tecnologia nos promete.

Geladeiras, aparelhos de TV, luzes, portas e janelas controlados por celulares e tablets, sensores de temperatura, automóveis que sinalizam a necessidade de manutenção, inclusão digital e um número cada vez maior de pessoas usufruindo dos benefícios de uma conexão incrível.

Mudar a estrutura principal que sustenta a rede de conexão que utilizamos para o IPv6 é uma tarefa complexa, mas necessária para que ela possa continuar evoluindo. E, para que a inovação do IPv6 tenha sucesso, é claro que pessoas e empresas precisam estar dispostas a cooperar.

Fabricantes de equipamentos, desenvolvedores de softwares e sites e provedores de internet precisarão fazer sua parte, começando a disponibilizar ferramentas em conformidade com o IPv6. Assim como o próprio usuário, que a partir de agora deve se certificar de adquirir apenas dispositivos (smartphones, computadores, roteadores, TVs, etc) que estejam aptos a receber o IPv6.

Agora que você já sabe o que é o IPv6, pode fazer a sua parte para se preparar para essa nova fase do desenvolvimento da internet. Recomendamos a leitura: Saiba como navegar com mais segurança na internet. Até a próxima!

Nathália Borges de Almeida Fernandes :