Gestão de vulnerabilidades: quais processos aplicar na sua empresa?

Gestão de vulnerabilidades: quais processos aplicar na sua empresa?

Você sabe proteger a sua empresa no ambiente digital? Caso não faça a gestão de vulnerabilidades em TI, saiba que a sua segurança digital está em risco.

Afinal, com os ataques constantes de cibercriminosos, quando se trata da proteção de dados da sua empresa, todo cuidado é pouco, já que os riscos de ter os dados confidenciais vazados são bem altos.

Por isso, essa gestão se revela fundamental, já que consegue identificar e classificar, na infraestrutura interna e externa, as vulnerabilidades.

Para entender melhor esse assunto, continue a leitura! Vamos falar sobre o que é a gestão de vulnerabilidades em TI, quais são as suas funções e benefícios, e como aplicá-la na sua empresa.

O que é a gestão de vulnerabilidades?

Antes mesmo de explicar o que é a gestão de vulnerabilidades, consideramos importante falar o que são as vulnerabilidades.

Basicamente, são fraquezas de um ativo que corre o risco de sofrer ameaças. As fontes de vulnerabilidades são diversas, porém as mais comuns são:

  • Falhas humanas: por motivos como falta de atenção ou de conhecimento, algum colaborador executa arquivos maliciosos que facilitam a entrada de criminosos no sistema da empresa;
  • Mídias digitais: dispositivos externos não autorizados pela empresa, como pen drive, celular e HD externo, podem resultar em problemas na segurança;
  • Problemas na configuração: é possível que aplicações de segurança (antivírus, firewall etc) sejam configuradas de modo incorreto, facilitando a ocorrência de cibercrimes.

Agora que conceituamos as vulnerabilidades, vamos à explicação sobre o que significa a gestão de vulnerabilidades

Como o ambiente digital não é totalmente seguro, o que devemos fazer é minimizar os riscos de sofrer ameaças, fornecendo o máximo de segurança para a empresa.

Portanto, essa gestão tem como objetivo identificar, analisar, classificar e tratar as vulnerabilidades, revelando-se como um processo contínuo dentro da área de TI.

Nesse sentido, a gestão de vulnerabilidades apresenta as seguintes funções:

  • Fazer a detecção e correção de falhas nos softwares que podem gerar riscos na segurança ou prejudicar o desempenho do sistema;
  • Implementar mecanismos de segurança, lembrando de sempre fazer as atualizações necessárias;
  • Modificar as configurações dos programas para deixá-los menos vulneráveis;
  • Utilizar mecanismos que fazem o bloqueio de ameaças frequentes.

Quais são os benefícios da gestão de vulnerabilidades?

Com uma boa implementação na empresa, a gestão de vulnerabilidades é capaz de oferecer diversos benefícios. Veja os principais deles abaixo:

Redução de custos

Uma das formas da empresa reduzir custos é agindo de forma preventiva e, assim, possibilitando maior segurança para o sistema. Então, o valor investido na gestão se torna bem menor em comparação a problemas legais caso dados confidenciais de clientes sejam vazados, por exemplo.

Maior controle da segurança

Sem dúvidas, o grande benefício é o controle da segurança. Isso porque essa gestão oferece mais proteção por estar preparada para lidar com problemas como vírus, malwares e spam que, com o tempo, tendem a diminuir.

Economia de tempo

Não podemos deixar de citar também a economia de tempo, porque, ao fazer o mapeamento e definição das vulnerabilidades, torna-se mais rápido saber quais são as fraquezas e, assim, corrigi-las.

Competitividade no mercado

Essa é outra vantagem importante, pois empresas que têm garantia de segurança são mais propensas a atrair e fidelizar clientes. 

Afinal, a proteção de dados do consumidor é algo que deve ser prioridade para as organizações, principalmente agora que a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) lei responsável por regulamentar o uso, o tratamento e a proteção de dados pessoais no Brasil entrou em vigor.

Como fazer a gestão de vulnerabilidades em TI?

Não adianta falarmos sobre a importância da gestão de vulnerabilidades sem mostrar como aplicá-la na empresa, certo? Então, conheça as etapas desse processo a seguir.

1. Preparação

A primeira fase da gestão é a preparação, ou seja, é a etapa em que os ativos da empresa são avaliados em relação aos riscos.

É necessário analisar o perfil de riscos da organização, pensando em aspectos como o tamanho e a localização deles dentro da infraestrutura. Além disso, você deve fazer o cálculo do valor relativo de todos esses ativos.

Nesse momento, é importante dar maior atenção aos dados mais críticos, que são aqueles que contêm dados pessoais de clientes e de colaboradores, além de informações de propriedade intelectual, porque esses dados são os mais buscados por cibercriminosos.

2. Detecção

Após a etapa de preparação, chegou o momento de detectar as vulnerabilidades dos ativos

Caso o ativo tenha dados de muito valor, ele precisa ser escaneado várias vezes ao dia. Já se você quiser escanear todo o ambiente, esse processo pode ser feito uma vez a cada três meses.

3. Análise e priorização

Em seguida, é necessário analisar os dados da empresa para tomar decisões.

Nesse processo, você precisa escolher quais riscos devem ser priorizados e contidos primeiro. Por isso, é fundamental definir o problema mais crítico e o que pode prejudicar mais a sua empresa.

4. Produção de relatórios

Os relatórios são ferramentas necessárias para que seja possível ver os dados com clareza, identificando as ações realizadas e os resultados que elas tiveram.

Com o registro dos processos de gestão de vulnerabilidades, você consegue fazer a prevenção de futuros riscos e agir em cima deles. Além disso, pode compará-los de tempos em tempos e utilizá-los para fazer ações estratégicas. Esse processo é fundamental para uma boa gestão de riscos.

5. Tratamento das vulnerabilidades

Por fim, é necessário tratar as vulnerabilidades de acordo com os procedimentos pré-definidos. Nesse momento, é importante já saber qual ação tomar e quanto tempo ela vai levar.

Ainda que cada vulnerabilidade apresente uma ação e uma dificuldade diferente, é fundamental que o processo já seja previamente definido, pois isso ajuda a dar mais agilidade para os colaboradores envolvidos nessa etapa.

Dessa forma, os outros setores da sua empresa não vão ser prejudicados enquanto a equipe de TI dá a resposta aos incidentes

Lembre-se, ainda, de adotar métricas na sua gestão de vulnerabilidades para saber se ela está sendo eficiente. Duas delas são o tempo de detecção e o tempo de mitigação, que se refere ao tempo que levou para corrigir a vulnerabilidade.

Viu como a gestão de vulnerabilidades é muito importante para a sua empresa? Portanto, essa estratégia não deve ser negligenciada, caso você priorize a segurança digital do seu negócio. Se você quiser saber mais, não deixe de conferir nosso e-book sobre como a gestão de TI pode prevenir problemas nas empresas!